Os olhos de Afodisia

História erótica por anônimo
★★★★★ (< 5)

Matthias luta com culpa e desejo…

🕑 9 minutos Fantasia e Ficção Científica Histórias

Os Olhos de Afodisia. Matthias se mexeu na cama, mais por inquietação do que por qualquer outra coisa. Se você negligenciou as surras aleatórias distribuídas. era quase confortável.

Quase. Para uma cela de prisão. Ele tinha um colchão no chão, com um cobertor. Ele tinha um buraco privado. Ele se alimentava duas vezes por dia, embora a comida fosse inútil para ele.

Eles até lhe deram material de leitura. Escritura. Como se ele não tivesse memorizado o texto inteiro, duas décadas atrás.

O problema era que agora sua vida era um tédio intercalado com momentos de terror de parar o coração. Os inquisidores não eram cruéis. Mas eles eram demonologistas habilidosos e totalmente impiedosos.

Honestamente, ele preferia as surras aleatórias. Mas mesmo eles eram preferíveis ao Oráculo, com os olhos cheios do brilho de Afodisia. Olhos que pareciam ver direto no poço cheio de cicatrizes que uma vez havia mantido sua alma.

Suas perguntas eram preocupantes. Quando ela ainda fez perguntas. Suas declarações e seus silêncios eram ainda piores. Mesmo o sangue dela, doce como tinha sido, tinha um sabor que ele não tinha gostado. Como a queima de especiarias, ela havia agitado em seu intestino por horas.

Houve o som de passos de botas se aproximando de sua cela, um som que ele reconheceu instantaneamente. "Olá, Aurianna", disse ele, sem olhar para cima. Não no início, de qualquer maneira.

Quando ele finalmente o fez, a visão dela foi um golpe. "Bem, olhe para você", disse ele, os olhos traçando as curvas de seu corpo e demorando na sugestão de decote na garganta de sua blusa. "Diga-me, ele era bom? Seu? Eu podia sentir seu cheiro nele, quando ele o visitou pela última vez." Um sorriso, mostrando presas brancas.

"Ele levou você, uma e outra vez? A semente dele lavou minha memória da sua cabeça?" "Você vai ter que se esforçar mais do que isso, se você quer me machucar." Ela disse com um suspiro, inclinando-se contra as barras da cela. "Você tem que pelo menos ser mais cruel do que os paladinos que deveriam ser meus amigos e aliados." "Mais cruel que paladinos?" Matthias zombou. "Isso vai ser difícil. Muito pouco é tão cruel quanto as pessoas que se acreditam 'boas'." Ela olhou para ele agora, sugando a respiração.

"Pela Deusa! Você… fez isso com você?" Ela parecia chocada. "O que isso?" Ele acariciou o enorme hematoma em sua mandíbula. "Bem, não fomos apresentados nem nada, mas tenho certeza que é ele.

Ele gosta de um pouco rude." Ele olhou de soslaio quando ela entrou na cela. "Você provavelmente notou, quando vocês dois estavam juntos." "Você precisa de mais sangue?" A pergunta passou direto por ele, fazendo-o recuperar o fôlego e deixando-o duro como pedra. "Eu… não recusaria," ele respondeu, a voz rouca. Seus olhos estavam grudados nela quando ela entrou na cela, ajoelhando-se ao lado dele e dedilhando suas correntes. "Isso está atrapalhando, curando a si mesmo?" "Atrapalhando um monte de coisas", ele respondeu, demorando-se na visão da pele lisa exposta por seu top.

A lembrança do sabor de sua vida e seus corpos seminus pressionados juntos o atormentava. "Tire-os e descubra…" Sua mão cobriu o rosto. "É tudo culpa minha? Eu apenas causei dor e sofrimento indescritíveis, com tudo que eu faço?" Sua angústia o puxou da névoa da luxúria.

"O que?" Matthias bufou. “Você é estuprada por alguns demônios e seu amante, e de repente você é um lorde demônio? causou muito mais dor no mundo." "Eu teria", ela atirou de volta. "Se eu pudesse falar enquanto Laemohn…" Ela se virou, e foi um alívio. Ele a estava provocando, sim, mas a raiva era seu objetivo, não a dor. "Eu teria implorado a Baath Me'el.

Se eu pensasse que ele me teria, eu teria começado a implorar antes dos gêmeos…" As palavras se dissolveram em choro. Seus braços serpentearam ao redor de seu pescoço enquanto ela falava, admitindo seus medos e descansando em seu ombro. "Eu considerei enquanto ele me levava antes mesmo de conhecer o verdadeiro horror. Eu sou patético. E é minha culpa que você seja assim." Suas presas doíam por ela, uma dor ecoada pela dureza latejante de seu pênis.

Sua garganta pulsava com tentação, tão perto dele. Onde ele poderia alcançá-lo. Em vez disso, seus próprios braços envoltos em correntes a envolveram. "Eu fiz uma escolha, Ari. A errada, claramente, mas era minha." "Qual teria sido o meu destino? Se eu tivesse concordado?" ela perguntou, dedos calejados acariciando as linhas de seu peito.

"Eu não sei," ele sussurrou, dividido entre sua necessidade de provar seu sangue e seu desejo inexplicável de poupá-la de mais sofrimento. "Ele teria me mantido como uma concubina?" Sua mão desceu, encontrando a dele. "Ou eu teria sido um guerreiro, como você?" "Eu não sei", ele repetiu, os lábios traçando a artéria pulsante em sua garganta esbelta.

Seria fácil, tão fácil deslizar dentro dela, saboreá-la enquanto suas presas a penetravam. Tão fácil, e ainda assim ele recusou. Por quê? "Talvez ambos." "Foi por isso que você me trouxe até ele? Para que eu pudesse estar ao seu lado mais uma vez?" "Não sei." Não havia respostas para ela.

Sem espaço para respostas, enquanto o cheiro dela ocupava seus pensamentos. "Você esperava que eles me quebrassem rapidamente, para que eu pudesse ser sua…" Ela não terminou o pensamento, enterrando o rosto no mármore frio de seu peito. Suas lágrimas estavam molhadas em sua pele, provocando uma culpa que guerreava com seu desejo por ela.

Sua culpa venceu. "Não", ele murmurou, passando os dedos suavemente pelos cabelos negros dela. — Conheço você melhor do que isso, Aurianna. Eles nunca teriam quebrado você rapidamente. Então ela o estava beijando, a língua passando por seus lábios e lacerando suas presas.

O sabor acobreado de sua vida inundou sua boca, sua mente e ele a puxou para perto. Ele se deleitou com sua necessidade, devolvendo sua paixão febril com uma luxúria desesperada. Os dedos puxaram sua blusa, rasgando os cadarços, balançando seus quadris contra os dela enquanto sentia o calor suave de seu peito nu contra o dele.

Ela se afastou, seu sangue vermelho em seus lábios e queixo, pingando para manchar seus seios. "Leve-o embora!" ela soluçou, implorando a ele. "Leve tudo embora, por favor…" Ele se lançou para frente, sua língua empurrando em sua boca enquanto ele saboreava sua vida novamente antes de selar a ferida. Descendo por seu queixo e garganta, ele saboreou sua pele, seus gemidos suaves e gritos necessitados. Dobrando suas costas, lábios e língua acariciaram seus seios nus, seguindo o rastro pegajoso de sangue que seus dedos deixaram.

"Leve-me", ela perguntou quando ele voltou para sua garganta. "Tome-me duro. É tudo que eu sou bom agora." Com um grito rouco e repentino, ele a empurrou de seu colo. "Saia," ele rosnou, tremendo com luxúria frustrada.

"Você é um paladino, não uma prostituta de algum demônio." Ele olhou para ela enquanto ela se esparramava diante dele, as pernas abertas e a parte superior do corpo nua, tremendo com o esforço necessário para não enterrar suas presas e pênis nela, sangrar e fodê-la. "É isso que voce quer?" ele perguntou, levantando-se. "Desistir? Trair sua Deusa? Para provar à Ordem que você não é nada mais do que o brinquedo quebrado do Inferno?" Ele a queria. Queria que ela estremecesse debaixo dele enquanto ele fodia sua semente nela, queria que ela gritasse seu nome enquanto seu sangue descia por sua garganta no mesmo ritmo das convulsões trêmulas do orgasmo.

"SAIR!" ele gritou. "Saia e não volte!" E com um rugido estremecedor de frustração e raiva, ele se jogou no canto mais distante de sua cela. Ela se levantou então, olhando para ele. A luxúria tornou-se rejeição e ódio, preenchendo o espaço entre eles. Ele não tinha certeza se ela iria bater nele ou forçá-lo ou ambos.

Ou ele teria merecido. Em vez disso, as lágrimas encheram seus olhos, cortando-o muito mais fundo. "Eu… sinto muito.

Por tudo." Ela se afastou dele, e levou toda a sua determinação para não alcançá-la. "Eu também", Matthias sussurrou enquanto Aurianna fugia da cela. "Eu sinto Muito." Aquele olhar em seus olhos.

Ele já tinha visto aquele olhar antes, na Corte. E ele ficou aliviado e desapontado por ela ter ido embora. O pensamento dela, tomando-o sem levar em conta seus próprios desejos, fez seu pênis já duro dolorosamente rígido. Sua mão envolveu seu eixo de ferro enquanto ele a imaginava empurrando-o para trás, sua boceta apertando ao redor dele enquanto ela o prendeu no chão.

Seus olhos se fecharam enquanto ele acariciava seu eixo e imaginou que ele… "Eu te disse que você tinha uma chance," uma voz divertida comentou. Seus olhos se abriram. "Se divertindo?" ele perguntou, sua mão ainda segurando a si mesmo. "Talvez", respondeu Oráculo. "Por quê você está aqui?" perguntou Matias.

Sua mão bombeou seu pênis enquanto ele olhava para ela, tentando não encontrar seus olhos dourados sem parecer que os estava evitando. O esforço necessário para afastar Aurianna o deixou esgotado, mas o arrependimento lhe deu a energia para ser irreverente. Ele empurrou seus quadris para ela, sorrindo.

"Procurando me mostrar um pouco mais de pena?" "Por que você não transou com ela?" O Oráculo perguntou, ignorando sua postura. "O que?" "É uma pergunta simples", ela respondeu. "Aurianna convidou você. Até implorou. Por que você não fez?" "Quanto tempo você estava assistindo?" Ele demandou.

"Por que você não fez?" ela repetiu. Matthias não respondeu. Ele não tinha uma resposta. Oracle sorriu aquele sorriso irritante e conhecedor.

"Pense nisso. Quando você tiver uma resposta," ela disse, olhos dourados percorrendo seu corpo, "talvez eu tenha pena de você.". Com isso, ela foi embora. Matthias mergulhou em sua fantasia mais uma vez, visualizando Aurianna montada nele.

À medida que seu prazer crescia, ele podia vê-la em sua mente. Olhos fechados enquanto ela o fodia com abandono. Quando ele não pôde mais se conter, ela olhou para ele com íris de ouro ardente, os olhos de Afodisia.

Seu grito era rouco e chocado quando ele gozou, sua semente respingando em seu estômago e escorrendo por sua mão. Por que você não transou com ela? uma voz meio lembrada perguntou enquanto sua mente girava e seu peito arfava com a força de seu orgasmo. E ainda assim, ele não sabia..

Histórias semelhantes

Rocky Shores (desejos submersos # 1)

História erótica por anônimo
★★★★(< 5)

Uma jovem que viaja pela Espanha encontra paixão nos braços de um tritão.…

🕑 29 minutos Fantasia e Ficção Científica Histórias 👁 178

Cass riu enquanto corria pela areia molhada, deixando cair o sutiã e a calcinha atrás dela na praia deserta. Seus pés fizeram pequenos salpicos quando ela correu para o surf frio. Depois que a…

continuar Fantasia e Ficção Científica história de sexo ⇨

Caindo na minha bunda novamente

História erótica por anônimo
★★★★(< 5)

Aggie fica fodida na floresta por um humano fedorento!…

🕑 8 minutos Fantasia e Ficção Científica Histórias 👁 384

Eu estava tentando descer uma encosta íngreme em vez de caminhar vários quilômetros ao redor do cume para chegar ao mesmo destino, quando escorreguei e caí. Difícil. Eu comecei a deslizar pelo…

continuar Fantasia e Ficção Científica história de sexo ⇨

Primeiro dia: um encontro élfico

História erótica por anônimo
★★★★(< 5)

Um atraso inesperado na minha jornada pela floresta.…

🕑 8 minutos Fantasia e Ficção Científica Histórias 👁 524

Já é tarde da noite, mas ainda é terrivelmente quente em Faerun. O toque intermitente do sol laranja brilhante é quase escaldante, mesmo sob a cobertura sombreada das árvores da floresta. É a…

continuar Fantasia e Ficção Científica história de sexo ⇨

História de sexo Categorias